ponto.por.ponto

Há pessoas que nos rodeiam que são diferentes. E essa diferença não está só na forma de vestir, na personalidade, ou no carácter… essa diferença pode ser mais profunda e manifestar-se no aspecto físico ou mental da pessoa que vive ao nosso lado.

É a partir daqui que deves narrar, num texto bem estruturado, um caso de uma pessoa que conheças portadora de uma diferença profunda. Deves adoptar a perspectiva de narrador principal da história. (Não esqueças de analisar a situação sempre numa perspectiva em que tu és essa pessoa diferente).

Tem presente a fase da planificação, redacção e verificação do texto. (180 a 240 palavras).

Por todo o lado se erguem barreiras impenetráveis, caminhos impossíveis, que me aprisionam, que me sufocam. Sinto-me um pássaro a quem cortaram as asas e perguntam a razão de não voar. E relembro, com nostalgia, os tempos que passaram e que não voltarão. Rostos, sorrisos, corações, são  arrastados pelo tempo. Escapam-me das mãos, dos olhos, da alma. A fugaz lembrança do que fui teima em voltar. Teima em me apertar o peito, em espremê-lo, em desfazê-lo… Sim, vivo embriagada na minha dor, na minha saudade. Sim, espero, ansiosa, o dia em que tudo termine, que o meu mundo escureça de vez. Mas não, não desejo pena. Não desejo olhos piedosos. Nem tristeza. Nem clemência. Desejo indiferença! Desejo as minhas asas de volta, e voar pelo mundo dos sonhos!

Sou diferente. Sou rejeitada. Sou cega.

9ºA

Posted on: 9 Junho 2009

DSC041765

“Pode ser que um dia deixemos de nos falar…
Mas, enquanto houver amizade,
Faremos as pazes de novo.

Pode ser que um dia o tempo passe…
Mas, se a amizade permanecer,
Um de outro se há-de lembrar.

Pode ser que um dia nos afastemos…
Mas, se formos amigos de verdade,
A amizade nos reaproximará.

Pode ser que um dia não mais existamos…
Mas, se ainda sobrar amizade,
Nasceremos de novo, um para o outro.

Pode ser que um dia tudo acabe…
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,
Cada vez de forma diferente.
Sendo único e inesquecível cada momento
Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre.

Há duas formas para viver a sua vida:
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.”

Albert Einstein

Acabei de ler “O Fogo e as Cinzas”, Manuel da Fonseca.

Estou a ler “A História Interminável”, Michael Ende.

Posted on: 22 Abril 2009

Posted on: 21 Abril 2009

            Por cada sorriso que me deste.

            Por cada ferida que curaste.

            Por cada lágrima que limpaste.

            Por cada erro que perdoaste.           

            Por cada sonho mau que ajudaste a esquecer.

 

            Um amor finitamente-infinito, impossivelmente-possível, alcançavelmente-inalcansável.

 

            Por cada sorriso que sempre me darás.

            Por cada ferida que sempre curarás.

            Por cada lágrima que sempre limparás.

            Por cada erro que sempre perdoarás.

            Por cada sonho mau que sempre ajudarás a esquecer.

 

            És mais que homem, és mais que deus. És Pai.