ponto.por.ponto

“O Rouxinol e a Rosa” – Oscar Wilde

Posted on: 18 Setembro 2007

Era uma vez um pobre estudante que por uma única rosa vermelha poderia dançar com a sua amada. O problema era que ele não tinha rosas vermelhas no jardim e, por isso, lamentava-se. O Rouxinol, com pena do jovem, voou em direcção à roseira do bosque. Mas as suas rosas eram brancas. Voou então para a roseira que crescia debaixo da janela do estudante. As suas rosas eram vermelhas, sim, mas naquele ano não iria dar flor por causa do rigoroso Inverno. Mas, o Rouxinol tanto lhe implorou que a roseira confessou que havia uma maneira: o Rouxinol tinha de cantar toda a noite com um espinho cravado no coração. E assim aconteceu. Ao acordar, o jovem estudante olhou pela janela e encontrou a mais bela rosa vermelha que já tinha visto. Ao lado da roseira encontrava-se um rouxinol morto a que ele não ligou. Encantado com a sua sorte, foi até à casa da sua amada. Mas ela disse-lhe que já não dançaria com ele, pois o sobrinho do Camareiro lhe tinha oferecido jóias verdadeiras. Furioso, o estudante atirou a rosa para a rua, onde foi esmagada pela roda de uma carroça.

1 Response to "“O Rouxinol e a Rosa” – Oscar Wilde"

nss achei mtu lindo mas o final ficou meio vago ^^

parabéns !

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: